A maratona para trocar as marcas TAM e LAN


O Estado de S.Paulo
16 Agosto 2015 | 22h 37

Transição para Latam será feita em 3 anos e custará até US$ 40 milhões
MARINA GAZZONI – O ESTADO DE S. PAULO

As empresas aéreas TAM e LAN estão se preparando para uma maratona logística para trocarem as marcas para Latam a partir de 2016. As empresas terão de pintar 320 aviões, trocar os uniformes de 30 mil tripulantes e repaginar balcões de atendimento em 140 aeroportos. O processo levará três anos e custará entre US$ 30 milhões e US$ 40 milhões, valor que não inclui os gastos com mídia para construir a nova marca.

Antes de iniciar a transição, a empresa fez estudos de marca por dois anos para escolher o nome Latam no último dia 6. Neste momento, a Latam está organizando os detalhes para a mudança. A intenção é fazer um lançamento da marca em data ainda não revelada no primeiro semestre de 2016.

Só no dia do lançamento o passageiro vai sentir de fato o impacto visual da mudança. A empresa fará no mesmo dia a substituição dos sites TAM e LAN para o nome Latam, a troca dos uniformes dos tripulantes e a mudança da sinalização nos principais aeroportos operados pelo grupo.

Há uma equipe de cinco pessoas na Latam dedicada hoje somente a organizar a troca dos uniformes. “Já decidimos que vamos mudar todos os uniformes de uma vez só. Não queremos que o cliente entre em um voo que tenha comissários com uniformes diferentes”, disse o vice-presidente de Marketing da Latam, Jerome Cadier. O uniforme dos comissários da Latam foi desenhado pelo estilista Pedro Lourenço, mas é mantido em sigilo, assim como a pintura dos aviões da Latam, definida após testes com 30 versões.

A tarefa mais complexa é a pintura dos aviões, que consumirá 80% do orçamento para a troca de marca. Como a empresa não quer parar a operação para pintar as aeronaves, será inevitável ao longo de três anos que alguns passageiros embarquem em aviões pintados com o nome LAN e TAM, mas sejam atendidos por comissários da Latam.

Jerome Cadier (esquerda), vice-presidente de Marketing da Latam; Mauricio Amaro, presidente do Conselho de Administração; Claudia Sender presidente da TAM, e Enrique Cueto, executivo-chefe da Latam, na solenidade de anúncio da marca

Jerome Cadier (esquerda), vice-presidente de Marketing da Latam; Mauricio Amaro, presidente do Conselho de Administração; Claudia Sender presidente da TAM, e Enrique Cueto, executivo-chefe da Latam, na solenidade de anúncio da marca

O cronograma de pintura será organizado em sintonia com o de manutenção dos aviões. Para receber o novo logo, cada avião terá de ficar no solo entre 6 e 12 dias a mais. Para acelerar o processo, a Latam está avaliando a criação de um hangar exclusivo para a pintura. O processo consumirá cerca de 150 mil litros de tinta.

A Gol também está em processo similar para executar a primeira atualização do logotipo desde que a empresa foi lançada, em 2001. O site e os aplicativos alteraram a marca em julho e dois aviões já voam com o novo logotipo. Toda a frota será pintada ao longo de três anos e a empresa fará uma troca gradativa de cartões de segurança, cardápios e sacos de enjoo que levam a marca antiga conforme o estoque acabar. “Entendemos que não é problemático o convívio do logo novo e do antigo”, disse Florence Scappini, diretora de marketing da Gol.

Custos. A troca das marcas ocorre no momento em que a Latam executa um plano de redução de custos de US$ 650 milhões até 2018. “Poderíamos fazer a transição das marcas mais rápido se tivéssemos orçamento ilimitado”, disse Cadier. Ele destaca, no entanto, que o investimento “vai se pagar ao longo do tempo”. A Latam terá mais agilidade, por exemplo, para enviar seus aviões de um país para outro.

Com uma marca só, a empresa reajustou sua estrutura de publicidade. A empresa anunciou na semana passada a rede Interpublic Group como sua nova agência. “A Latam terá um atendimento sob medida e acesso à estrutura de todas as agências do grupo”, disse Fernando Fascioli, presidente do McCann Worldgroup para a América Latina.

NOTÍCIAS RELACIONADAS